Opinião

“Cada cigarro fumado rouba sete minutos à sua vida”
Dr.ª Isabel Saraiva, direção da Associação Respira
06 Jan. 2017

Fumar mata. Muito. 6 milhões em todo o mundo. 12 mil em Portugal, isto é, 11% do total das mortes. O tabaco é um fator de risco comum às principais doenças crónicas: doenças cardiovasculares, cancro e doenças respiratórias. O tabaco é ainda a primeira causa (leu bem), a primeira causa de morte evitável. Em Portugal ainda fumam 1,8 milhões de pessoas. São factos conhecidos e que têm levado as autoridades de saúde a desenvolver estratégias integradas de combate ao tabagismo.

Os limites da cirurgia no cancro do pulmão
Dr.ª Cristina Rodrigues, Assistente hospitalar de Cirurgia Torácica, CHLN
29 Dez. 2016

O tratamento do cancro do pulmão tem assistido a enormes evoluções nos últimos anos. A esperança de vida dos doentes tem vindo a aumentar, mesmo quando o diagnóstico ocorre em fases avançadas da doença. A descoberta de novos fármacos, dirigidos a subgrupos de doentes com neoplasias portadoras de mutações específicas, permite agora uma terapêutica personalizada.

Sensor Observation of Urban Life: Quantificação de (bio)-aerossóis
Dr. Pedro Jorge Caridade, investigador e CEO da SpaceLayer Technologies
16 Dez. 2016

“Os cidadãos Europeus respiram ar sem qualidade”. É com esta frase chocante que a Agência Europeia do Ambiente classifica a qualidade do ar e a exposição dos indivíduos à poluição na União Europeia, quer de origem natural quer antropogénica.

Resultados positivos da utilização de células estaminais no tratamento da asma
Prof.ª Doutora Teresa Matos, investigadora Crioestaminal
24 Nov. 2016

A asma é uma doença inflamatória crónica das vias aéreas, que se caracteriza pela contração da musculatura à volta dos brônquios e pela excessiva produção de muco dificultando a respiração. Esta doença debilitante afeta mais de 330 milhões de pessoas em todo o mundo e em Portugal estima-se que afete cerca de 1 milhão de indivíduos.

Opinião: A importância dos rastreios da doença alérgica
Dr.ª Elisa Pedro, vice-presidente da SPAIC
21 Out. 2016

Em Portugal, estima-se que a doença alérgica afete cerca de 1/3 da população: de acordo com os dados atuais, 30% da nossa população tem queixas de rinite, 18% tem concomitantemente queixas de conjuntivite e cerca de 10% tem asma.

Dispneia: Procurar soluções para problemas difíceis
Dr.ª Salete Beirão Valente, Diretora do Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar Cova da Beira
13 Out. 2016

"A dispneia é um sintoma subjetivo complexo, multidimensional e um dos mais frequentes e refratários nos doentes com cancro, causando um grande impacto e sofrimento no doente e família. Está frequentemente associado com outros sintomas, como ansiedade, insónia e astenia, sendo mais difícil de avaliar e tratar do que outros sintomas, como a dor. Nas Unidades de Cuidados Paliativos, a dor é regularmente avaliada e testada através de determinações diárias utilizando escalas. Em contraste, só muito raramente a dispneia é avaliada especificamente com escalas, continuando a ser difícil de avaliar e tratar".

Tabagismo: Acabar com a epidemia
Dr. José Pedro Boléo-Tomé, Pneumologista no Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca
13 Out. 2016

É impossível falar de cancro do pulmão sem nos referirmos à maior epidemia do tempo moderno e à maior causa de morte autoinfligida da História. O cigarro matou mais gente no século XX do que as duas guerras mundiais juntas e prepara-se para matar um mil milhões neste século, se nada for feito.

As doenças respiratórias e o envelhecimento
Dr. António Carvalheira Santos, Chefe de Serviço de Pneumologia do Hospital Pulido Valente
13 Out. 2016

"O aumento significativo da população idosa nos últimos anos em Portugal e em todo o mundo implica uma nova análise sobre o envelhecimento e a sua ligação às doenças respiratórias. Estas apresentam um risco acrescido de desenvolvimento com a idade inerente ao envelhecimento, mas também pelos hábitos que se vão adquirindo durante anos, de que é particularmente relevante o tabagismo, bem como a prolongada exposição a poluentes ambientais e familiares".

Quais são e como tratar os efeitos secundários em Imuno-oncologia
Dr.ª Ana Barroso, Coordenadora da Unidade Multidisciplinar de Tumores Torácicos, Centro Hospitalar Gaia/Espinho
13 Out. 2016

"A Imuno-oncologia envolve um novo conceito terapêutico no tratamento do cancro, recorrendo às capacidades naturais do organismo e ao seu próprio sistema imunológico para lutar contra a neoplasia", assim inicia a Dr.ª Ana Barroso este artigo de opinião, a propósito de um dos temas em discussão no 7.º Congresso Português do Cancro do Pulmão. 

A importância da fisioterapia respiratória
Paulo Abreu, fisioterapeuta
09 Set. 2016

A fisioterapia fornece serviços a indivíduos e populações com a finalidade de desenvolver, manter e restaurar a máxima capacidade para o movimento e funcionalidade, ao longo de todo o ciclo de vida. Isto inclui serviços em circunstâncias cujo movimento e função estão ameaçados pelo envelhecimento, lesão, dor, doenças, condições ou fatores ambientais (World confederation for Physical Therapy, 2011).

Newsletter

Agenda

Agenda News Farma

RespTalks

RespTalks

Opinião

Asma e gravidez: "mau controlo da asma acarreta maior risco para o feto do que o tratamento por si só"
Dr.ª Rita Gerardo e Dr.ª Lígia Fernandes, Comissão de Alergologia Respiratória da Sociedade Portuguesa de Pneumologia

PUB

Apoio

AstrazenecaBialBoehringer IngelheimMedinfar

 

MSDMundipharmaTakeda